Amor nas organizações: amor e a biologia dos negócios

Este artigo é a tradução livre feita por mim do ensaio The Biology of Business: Love Expands Intelligence /// do Humberto Maturana and Pille Bunnell.


Nesse ensaio, falarei sobre algo que geralmente é considerado inapropriado no contexto do mundo dos negócios: vou falar sobre emoções. Você verá que as emoções são fundamentais para o que acontece em todas as nossas ações, incluindo nos negócios.


Há algo peculiar sobre os seres humanos: nós somos animais amorosos.

Eu sei que matamos uns aos outros e fazemos todas aquelas coisas horríveis, mas se você olhar para qualquer história de transformação corporativa onde tudo começa a correr bem, inovações aparecem e as pessoas ficam felizes estar lá, você verá que é uma história de amor.


A maioria dos problemas nas empresas não é resolvida por meio da competição, nem por meio de lutas, nem por meio de autoridade. Eles são resolvidos por meio da única emoção que expande o comportamento inteligente. Eles se resolvem através da única emoção que expande a criatividade, pois nessa emoção há liberdade para a criatividade.


Essa emoção é amor. O amor expande a inteligência e possibilita a criatividade. O amor devolve autonomia e, à medida que devolve autonomia, devolve responsabilidade e a experiência de liberdade.


Nós somos animais amorosos


Uma vez eu disse em uma palestra, somos animais amorosos, e surgiu uma pergunta: “Nós somos animais?” Eu respondi: “Sim, nós somos animais, mas somos animais amorosos”.


A maioria dos animais são animais amorosos até certo ponto. O que é peculiar sobre nós, animais humanos, é que expandimos essa emoção em nossa maneira de viver.


Todos os mamíferos vivem em um relacionamento amoroso com suas mães durante a infância. Nossos ancestrais distantes começaram a orientar sua maneira de viver em torno de estender essa relação que todo mamífero tem entre mãe-filho para mais pessoas. Ao desfrutar e conservar o prazer dessa intimidade, nossos ancestrais se viram formando e vivendo em pequenos grupos de pessoas próximas, centradas na expansão desse vínculo mãe-filho.


Ao conservar o prazer da intimidade um com o outro, eles estendiam os domínios e a duração em que ocorria esse comportamento consensual. Ocasionalmente, nossos ancestrais usavam sons e gestos como parte dessa consensualidade e, às vezes, os sons e gestos se tornavam a base para outras coordenações, e uma operação mínima na forma de linguagem surgia. Quando essas operações começaram a ser conservadas de geração em geração por meio do aprendizado das crianças, foram lançadas as bases para a linguagem como um meio de vida.

A linguagem evoluiu em nós, humanos, porque passamos a viver no prazer da intimidade de uma forma que conservou essa forma de viver. Desenvolvemos a linguagem porque nos tornamos animais amorosos.


Humanos são aqueles animais que se expandiram vivendo no amor. Tornamo-nos dependentes do amor no sentido de que ficamos doentes de corpo e alma se houver interferência no amor. Às vezes, surgem condições em nossa cultura para que algumas ideias ruins persistam apesar de sua maldade. Acho que a competição é uma daquelas ideias ruins que são destrutivas, mas ainda persiste.


O amor é ordinário (comum)


Agora, vou dizer a você o que é o amor, não como uma definição, mas como uma abstração - e vamos fingir que isso é tudo o que precisamos saber.

O amor é o domínio daqueles comportamentos relacionais por meio dos quais outra pessoa (uma pessoa, ser ou coisa) surge como um outro legítimo na coexistência com um outro. A dinâmica que eu criei se baseia em como nós agimos, mesmo quando não refletimos sobre ela.


Suponha que você esteja caminhando no campo e encontre uma aranha. E se você exclamar "Uma aranha!" e imediatamente pisar nele, certificando-se de que ela está completamente esmagada - o que seu companheiro comentaria? Algo como "Você não ama aranhas" ou "Você não ama animais" ou "Você odeia aranhas, não é!" E todas essas expressões pertencem à negação do amor; a aranha não surge como um outro legítimo em convivência com você.


A agressão é aquele domínio dos comportamentos relacionais em que o outro é negado como outro legítimo.


Mas se você disser maravilhado: “Uma aranha! Olha só! Vamos ter cuidado para não pisar nesta bela aranha ”, seu companheiro pode comentar“ Você com certeza ama animais! Até mesmo aranhas! ”


Você não precisa levá-lo para a cama para amá-lo. Levar a aranha para a cama não seria adorar. O fato de você deixar a aranha ser uma aranha onde vivem as aranhas mostra que você a ama: você deixa o outro surgir como um outro legítimo através de seu comportamento. É o seu comportamento que o faz mover-se ao redor da aranha para que ela coexista com você.


Falamos sobre o amor como se fosse especial e raro, algo difícil de conseguir, mas é uma coisa realmente comum. Mas é especial de uma maneira diferente: quando a emoção do amor está presente, a visão se expande.


Muitos, muitos, muitos anos atrás, eu estava caminhando com um de meus filhos, Alejandro, que tinha cerca de sete anos. Estávamos passando por um campo de galhos e eu estava abrindo espaço com a minha vara de caminhada, empurrando os galhos para o lado. De repente, meu filho perguntou: "Pai, por que você não ama os galhos?"


E lá estava eu, parado, vendo de repente o que estava fazendo. E quando parei de ser agressivo com os galhos, eu os vi: lindas flores violetas! E de repente eu podia ver um caminho entre eles sem destruí-los. Mas a questão é que, aos sete anos, Alejandro sabia exatamente a natureza do amor como um comportamento relacional. Então, nós aprendemos isso quando crianças - não precisamos de filosofia ou ciência ou qualquer coisa


Emoções caracterizam a ação

Se você pensar sobre o que acontece em sua vida diária (lembre-se, isso é biologia, não filosofia), notará que normalmente usamos a palavra emoção para indicar um domínio de comportamento relacional.


As emoções especificam tipos de comportamentos relacionais. Se você disser que alguém está com raiva, saberá imediatamente de quais tipos de comportamento relacional essa pessoa pode participar e de que tipos ela não é capaz quando está com raiva. Se você disser que alguém é ambicioso, saberá imediatamente quais os tipos de comportamento relacional ele pode ou não participar. Todos nós sabemos disso; somos especialistas em detectar emoções, estejamos ou não conscientes disso.


Quando você distingue um determinado comportamento, você distingue a emoção. Se você quiser saber a emoção, observe o comportamento. Se você quiser saber que tipo de comportamento, olhe para a emoção. Comportamento e emoção são maneiras de apontar para a dinâmica relacional; eles implicam implicam olhares diferentes, maneiras diferentes de compreender essas dinâmicas.


À medida que falamos dessa dinâmica, fazemos o que a linguagem nos permite fazer (isto é, fazemos um objeto da emoção ou do comportamento e, tendo feito isso, podemos olhar para ele).


Mas você não precisa pensar nisso, você já pratica no dia a dia: você sabe quando seus amigos estão com raiva, quando estão alegres, tristes ou indiferentes. E você sabe imediatamente, seja olhando para o comportamento ou olhando para a pessoa. Somos especialistas em ver emoções. E é justamente porque é tão fácil para nós que não percebemos e refletimos sobre a dinâmica relacional da emoção.


Quando falamos sobre emoções, geralmente nos referimos à maneira como nos sentimos a partir de diferentes emoções, e não sobre o que fazemos. Nossos corpos têm configurações diferentes em emoções diferentes. Podemos “tocar” a nós mesmos e perceber como nos encontramos sob as diferentes emoções - como sentimentos. Assim, facilmente caracterizamos as emoções pelos sentimentos que acompanham a dinâmica corporal particular que especifica o que podemos e o que não podemos fazer. Isso não significa que as emoções sejam dinâmicas do corpo ou que ocorram no corpo. As emoções ocorrem no domínio em que ocorrem, e onde ocorrem é na relação.


As emoções determinam a inteligência.


Emoções diferentes nos levam por caminhos diferentes; vivemos histórias diferentes de acordo com nossas emoções.


Existe um livro chamado Inteligência Emocional que fala das emoções como um tipo particular de inteligência e, de certa forma sim, as emoções estão relacionadas à inteligência.


Acho que inteligência é algo muito básico, um tipo particular de fenômeno que tem a ver com a plasticidade da participação na mudança de comportamento e nas relações. O comportamento rígido, comportamento que não flui com as circunstâncias em evolução, não parece inteligente. É à plasticidade do fluxo consensual a que nos referimos quando falamos sobre um ser inteligente.


Por exemplo, quando dizemos que um animal é inteligente, estamos dizendo que ele entrou em um fluxo de consensualidade, um fluxo de comportamento plástico, conosco.


Quando dizemos que uma pessoa é inteligente, nos referimos ao fluxo plástico de qualquer relacionamento do qual a pessoa está participando, incluindo relacionamentos em vários domínios conceituais. É claro que a inteligência requer que ocorra um sistema nervoso central, mas ela não ocorre no cérebro, mas no comportamento. A inteligência é um fenômeno básico que tem a ver com a plasticidade para a participação na mudança das relações.


Como as emoções se relacionam com a inteligência é que as emoções mudam a extensão possível do comportamento inteligente. O medo restringe a inteligência a uma visão muito estreita; ele concentra a atenção de uma maneira particular e restringe o relacionamento com uma orientação particular. Da mesma forma, ambição e competição restringem atenção, visão e inteligência. Perdoe-me por dizer isso, mas se você pensar nisso, verá que é assim mesmo.


Somos igualmente inteligentes

Afirmo que, do ponto de vista biológico, nós, humanos, somos todos igualmente inteligentes, e isso ocorre porque vivemos na linguagem. A plasticidade neuronal fundamental necessária para viver na linguagem é tão gigantesca que somos fundamentalmente igualmente inteligentes.


Essa plasticidade não é o mesmo tipo de coisa que os computadores têm; os computadores que usamos são máquinas de computação, não máquinas inteligentes. Eles não têm a plasticidade para participar na mudança de comportamento e nas relações que constituem a inteligência.


Nosso cérebro linguístico é enormemente plástico, capaz de gerar intermináveis recursos na linguagem, criando infinitamente novos domínios da vida. Claro, existem variações individuais na compreensão dessa plasticidade fundamental, dependendo se tivemos alguma desnutrição em nosso desenvolvimento ou dano ou doença cerebral ou se vivemos uma vida que nos colocou em situações de constrangimento, desespero ou rejeição.


Nossa crença cultural de que inteligência é algo que algumas pessoas possuem e outras não , limita o que podemos fazer juntos. Às vezes, um pai, um professor, um gerente ou um CEO perceberá isso. Se um gerente age com base na premissa de que “as pessoas são competentes”, ele imediatamente inicia uma mudança. Se você deseja alcançar algo que envolva outras pessoas, deve aceitar que somos todos igualmente inteligentes ou não irá confiar que os outros agirão com competência.


Se você deseja um comportamento autônomo e coerente, precisa apenas abrir um espaço de amor, e a inteligência aparecerá lá. Você não precisa fazer nada além de aceitar que o outro é tão inteligente quanto você, mesmo que ele ou ela tenha uma experiência diferente, viva de uma maneira diferente ou tenha preferências diferentes.


O amor é visionário

Como é que o amor expande a inteligência? Tem a ver com visão - não com a visão, mas com o que queremos dizer quando exclamamos: "Entendo!"

Deixe-me dar um exemplo da vida diária. Você pode ter ouvido algo assim encenado em uma peça ou pode ter vivido isso sozinho. Um homem chega do trabalho e, depois de um tempo, sua esposa reclama: “Você não me ama mais! Você não percebeu que eu fiz meu cabelo! " Qual é a reclamação dela? Sua reclamação não tem a ver com seu cabelo ou sua beleza; tem a ver com não ser vista, não surgir na legitimidade de sua existência com o outro.


A propósito, esse negócio da legitimidade da existência do outro não significa que você tenha que gostar ou querer estar perto da pessoa, do ser ou da circunstância para amá-lo: significa que você tem que deixar o outro ser para ser capaz de ver.

Há uma série de televisão interessante chamada "McGyver;" você pode ter visto isso. McGyver é o herói desta série; ele sabe muitas coisas, como todos nós fazemos. Ele conhece um pouco de física, química, antropologia, arquitetura ... todos os tipos de coisas. E, em vários episódios, ele se vê preso em algum lugar com seu acompanhante. Eles podem estar em uma caverna ou em um celeiro que está para ser incendiado, algo assim; a questão é que eles estão presos.


Seu companheiro pode ter o mesmo tipo de conhecimento sobre física, química, etc., mas está assustado e hesita: "Meu Deus, estamos presos, vamos ficar sem ar!" ou "Os bandidos vão vir e nos matar!"


Mas McGyver? Não, McGyver não está assustado, ele aceita plenamente sua situação como legítima. Ele ama sua situação, e assim ele pode ver e, como ele pode ver, ele pode ver este pequeno arame aqui, e esta coisinha ali, e todo o seu conhecimento está disponível para fazer algo que abra uma fuga. Se você está com medo, você não pode ver; seu conhecimento não está disponível e seu comportamento inteligente é diminuído.


Eu poderia ter dito: “McGyver respeita sua situação”, e você poderia pensar dessa forma. Mas você pode ver que, com respeito, McGyver pode permanecer um pouco mais indiferente e não se envolver tão facilmente com todos os pequenos detalhes que se tornam as ferramentas para sua fuga. Respeitar algo significa que existe um domínio relacional particular que você aceita como legítimo, mas você não está necessariamente aberto à legitimidade de todos os domínios relacionais que essa pessoa ou ser ou circunstância acarreta.


O que acabo de dizer você pode verificar em sua própria vida diária. Vivemos continuamente a mudança na disponibilidade de nosso conhecimento, a mudança em nossas possibilidades de plasticidade em nossas relações moduladas por nossas emoções. Não creio que existam diferentes tipos de inteligência. Acho que as emoções modulam os domínios do comportamento inteligente em que podemos operar e, portanto, nossa inteligência é expandida ou diminuída de acordo com nossas emoções. A única emoção que amplia a visão e expande o comportamento inteligente é o amor.


Interferindo na visão

McGyver podia ver sua situação porque ele a deixava ser o que era. Para ver algo, é preciso deixar que aquilo seja. Mas isso nem sempre é fácil, pois vivemos em uma cultura humana particular.


A cultura é tanto um rico domínio da vida humana no presente quanto um domínio histórico da vida humana em que algumas coisas foram ocultadas enquanto outras surgiram. O problema da cultura é inerente a outra coisa humana peculiar: a linguagem. À medida que a linguagem começou a ser vivida, passamos a viver na linguagem através da constituição de objetos, categorias de objetos e relações entre objetos.


Com tudo isso, poderíamos começar a refletir e poderíamos inventar propósitos e intenções. Isso não ocorre apenas como um exercício mental, mas acontece como um mundo vivo: vivemos este mundo de objetos e relações entre objetos como nosso mundo humano, nossa cultura.


Enquanto vivermos os propósitos e intenções que criamos como uma participação plástica em várias relações de uma forma que não distorce o que fazemos, não tem problema. Mas se os tornarmos rígidos e exigirmos que tudo o que fizermos se encaixe na estrutura rígida que planejamos, ou se concentrarmos nossa atenção no propósito muito de perto, distorcemos nossa capacidade de viver o que desejamos toda vez que distinguirmos aquilo que vivemos do que queríamos viver como um propósito.


Esta é, novamente, uma discussão biológica, não filosófica. Essa questão de atenção que resulta em distorção é baseada no funcionamento do sistema nervoso. O sistema nervoso é uma rede de elementos neuronais, que opera por excitações e inibições. Cada movimento que fazemos envolve excitações e inibições.


Da maneira mais simples, se eu contrair um músculo, outros músculos (os antagonistas) são inibidos. Além disso, há inibição no processo de contração de qualquer músculo. A questão é que esse jogo entre a excitação e a inibição acontece em cada movimento: cada movimento é inibido à medida que ocorre.


É por isso que, se você está aprendendo caratê e quer quebrar um tijolo, deve mirar abaixo do tijolo. Se você mirar no tijolo, a força do golpe será diminuída porque a inibição ocorre antes que o movimento pretendido seja concluído.

A coordenação de excitação e inibição está envolvida em todas as atividades neuronais, incluindo o que chamamos de pensamento. É em nossa neurobiologia que a atenção ao que fazemos inibe o que fazemos. É por isso que aprender uma tarefa envolve relaxamento - não em termos de ficar mole ou adormecer, mas em termos de relaxar sua atenção, sua intenção de controlar o que você está fazendo.


Enquanto relaxa sua atenção sobre o fazer, mas prossegue na compreensão do que você faz, você permite que o fazer real ocorra de uma maneira que usa as circunstâncias como uma referência que orienta o que você está fazendo. À medida que você fica mais relaxado, seu fazer se torna mais fluido e, à medida que se torna mais fluido, torna-se mais puro e, à medida que se torna mais puro, mais bonito, mais confortável e mais perfeito.


À medida que surgem noções como propósito, intenção ou objetivo, elas se tornam parte do que fazemos. À medida que se tornam parte do que fazemos e começamos a atendê-los como se tivessem uma existência concreta, essa dinâmica de interferir em nosso fazer por meio de nossa atenção ao que fazemos ocorre, em maior ou menor grau.


A inveja, o medo, a ambição e a competição estreitam nossa atenção e visão e, assim, restringem o comportamento inteligente.


Como eu disse acima, às vezes surgem condições em nossa cultura de modo que algumas idéias ruins persistem, apesar de serem ruins. Acho que a competição é uma daquelas ideias ruins que são destrutivas e, no entanto, persiste.

Os humanos são aqueles animais que se expandiram vivendo no amor. Nós nos tornamos dependentes do amor no sentido de que ficamos doentes do corpo e da alma se houver interferência no amor. A única emoção que amplia a visão e expande o comportamento inteligente é o amor.