A promessa que muda tudo: eu não vou te interromper (cap. 4 a 7)

Tradução livre feita por mim, com base no livro The Promise That Changes Everything escrito pela Nancy Kline. Penguin Books Ltd.

Os capítulos 1 a 3 foram traduzidos por Marina Galvão e os capítulos 4 a 7 foram traduzidos por mim aqui.


Capítulo 4: A decisão

Bom, se o pensamento independente é tão importante, como começamos? Nós decidimos.


É isso. Decidimos produzir pensamento independente. Nesse momento, nós decidimos. A ação segue. Mas primeiro nós decidimos. E este momento é subversivo.


Como 'pensadores', decidimos nos preocupar mais com onde nosso próprio pensamento irá, do que com o que as pessoas irão pensar dele ou de nós. Como 'ouvintes', decidimos nos preocupar mais com onde o pensador está indo com seu próprio pensamento do que em impor o nosso.


E então enfrentamos a tentação de destruir o pensamento independente à medida que ele surge. Essa decisão de produzir pensamento independente é muito, muito, muito diferente.


E até conseguirmos entender essa diferença, até deixá-la voar em nossas veias e se espalhar em nossos cérebros, remodelando a norma e criando uma nova prioridade, nós não vamos realmente fazer isso.


Nós vamos vacilar. Vamos pairar. Nós vamos perseguir a paz do pensador até que ele fique tenso e desista. Começaremos a mexer os pés e depois as pernas e então levantaremos os braços, colocaremos as mãos atrás da cabeça e vamos expirar. Então vamos interromper.


Nós destruiremos sua autonomia em nome das nossas próprias regras. Essa diferença entre o pensamento derivado (derivado de outras pessoas) e o pensamento independente é geralmente tão perturbadora que desistimos de decidir escolhê-lo.


Talvez seja porque Martha Graham, a grande coreógrafa, estava certa: 'Cada decisão é um sacrifício'. Isso é verdade tanto em relação à "posição" que tomamos com nossos corpos enquanto dançamos, quanto à direção que tomamos com nossas mentes enquanto pensamos.


E quando decidimos gerar pensamento independente, estamos sacrificando todos os nossos fantasmas familiares, como aquiescência, pertencimento, vício em normas e status. Portanto, a decisão, essa decisão totalmente diferente, é um ato de coragem.


Imagine este momento: você está falando. Você está pensando. Eu estou ouvindo. Você está vivo. Você entra nesse mundo de pensamento totalmente independente. Eu continuo ouvindo. Você continua pensando. Então. Sem aviso, sinto necessidade de falar. Eu quase faço. Mas, tendo prometido não fazê-lo, tento perceber o que está acontecendo. Vejo, com relutância, que não preciso falar. Eu tenho escolha.


Portanto, decido pelo menos pesar os riscos. Lembro-me da maneira como o escritor Nassim Taleb avaliava o risco financeiro (de seu majestoso livro Antifrágil). Eu me pergunto esta pergunta:

Se eu falar agora, posso ter certeza de que o lado positivo do ganho de meus pensamentos já pensados será maior do que o lado negativo da perda de seus pensamentos ainda impensados?

Não, admito, não posso ter certeza disso porque nenhum de nós sabe o que você ainda não pensou. Por outro lado, sei o que eu pensei. Portanto, esses pensamentos podem ser recuperados se necessário posteriormente. Posso simplesmente colocá-los na minha linda caixa de voltar-mais-tarde aqui bem ao lado da minha ansiedade.


Mas o que você ainda não pensou pode ser apagado para sempre se eu mergulhar antes de você terminar. E essa perda de pensamento pode ser muito maior do que qualquer ganho meu. Eu simplesmente não sei. E porque eu não sei, eu não faço o sacrifício.


Resumindo, eu poderia ter formulado a questão em minha mente desta forma:

Posso ter certeza de que o que eu, como ouvinte, estou prestes a dizer será de mais valor do que o que você está prestes a pensar?

Claro que não. Pelas mesmas razões. Não tenho ideia do que você está prestes a pensar. Eu acho que sei. “Já entendi.” Acho que já ouvi o suficiente sobre o que você pensa para ter certeza de que sei o que você vai pensar a seguir. Mas eu não sei. Eu absolutamente não sei.


Como eu poderia? Por um lado, de acordo com Ken Sergi, especialista em Desenvolvimento Organizacional, pensamos sete vezes mais rápido do que falamos. Falamos aproximadamente 115 palavras por minuto, mas pensamos em aproximadamente 825 palavras por minuto.


Minha própria experiência se alinha melhor com uma visão ainda mais nítida oferecida por um psicólogo em um de meus cursos. Sua hipótese de trabalho é que 'para cada trinta palavras que dizemos, não dizemos 300'. Se ele estiver certo, mesmo quando estou ouvindo você lindamente, não tenho acesso a 90 por cento do seu pensamento.


Portanto, certamente ambos nos beneficiaremos se você puder desenvolver seu pensamento completamente antes de eu falar. Pelo menos os 10 por cento aos quais estou respondendo serão mais precisos e totalmente formados, então minha resposta também pode ser.


Um ponto mais importante, porém, é que se as condições forem adequadas, ou seja, se eu continuar a ouvir com profundo interesse para onde você irá a seguir, você irá a lugares que eu nunca poderia ter levado você. Lugares com muito mais magia, significado e relevância.


Então eu faço uma escolha, mas é diferente. É a escolha que sacrifica o conhecido pelo desconhecido. Eu fico atento, extasiado. Generativamente e generosamente.

Eu supero a vontade de falar.

Você continua.

Intacta.


Quero dizer novamente que essa decisão de produzir pensamento independente é diferente de qualquer outra que tomemos como ouvintes, como colegas, amigos, pais, professores. Isto é. E essa diferença predominante e brilhante é tão grande, que seria como um bilhão de fótons girando em nossa direção


Há também um insight dilacerante sobre essa diferença. Eu ouvi isso de um de meus alunos, um executivo de negócios:


'Querer que as pessoas pensem por conta própria, escutar para acender seus pensamentos ainda impensados, como você diz, vai ser, pelo menos para mim, uma jornada passo a passo em direção à humildade.'

Sim, é isso mesmo. Isso é exatamente o que é. Como ouvintes, decidimos brilhar ao não brilhar. E de todas as diferenças entre o pensamento “de troca” e o pensamento independente, entre a escuta interruptiva e a atenção generativa, a 'jornada em direção à humildade' é certamente a que mais nos desenraiza.

Mas é apenas a primeira viagem. Uma viagem necessária, elegante. Mas apenas a primeira.


A jornada final é, ironicamente, o fim da humildade, porque quando queremos o pensamento independente mais do que tudo - quando não podemos suportar não saber o que vai acontecer a seguir na mente do pensador - a humildade não é mais o desafio. Tornou-se a norma.


E quando se torna norma, quando sabemos, porque o vimos centenas de vezes, que podemos pensar de maneira brilhante por nós mesmos, e que o faremos se as pessoas conosco mantiverem a promessa de não interromper e de permanecer interessados em onde iremos a seguir ? E quando eles querem que nós, ferozmente, continuemos pensando?


O que então? Vai acontecer. Pensaremos por nós mesmos até chegar a um lugar de qualidade e valor que nenhum de nós poderia ter adivinhado.


Esta decisão de produzir pensamento independente em nós mesmos e nos outros é monumental. É o terremoto dentro de um terremoto. É uma forma de significado. É uma forma de entendimento. É um caminho para a vida que ansiamos. É um caminho para o mundo que a maioria de nós deseja, mas fala apenas em nosso silêncio pessoal.


Nós ansiamos por isso, por esse ato de simplicidade que transborda de complexidade e sorri em nossa direção. Está vendo? Aí está. Precisamos apenas ir até lá e dizer olá.


Então, por que resistimos? Se pensar por nós mesmos é tão bom, tão divertido, tão cheio de autodescoberta e significado e puro espanto, para não dizer carregado de implicações propícias para o nosso mundo, por que resistimos à decisão de fazê-lo?


Por que, como pensadores, nos submetemos ao pensamento dos outros e esperamos que os outros, como pensadores, se submetam ao nosso? Por que é que praticamente a única vez que pensamos por nós mesmos é quando pensamos por outra pessoa?


Porque quando éramos jovens, ninguém nos fez esta pergunta que molda a vida: O que você acha?’ E então ouviu porque queriam saber. Ninguém. A maioria das pessoas cresce sem essa pergunta. E sem essa atenção. E o que as pessoas não experimentam na infância, elas não esperam na vida adulta.


Que mundo é este? Uma criança nasce. Ele tem equipamento em sua cabeça (com sentinelas espalhadas em outros lugares) tão deslumbrante que nem mesmo Da Vinci conseguiria renderizá-lo.


Tudo o que precisa agora para funcionar bem e continuar se desenvolvendo é um tipo particular de atenção sustentada, atenção generativa. E em muito pouco tempo também precisa dessa pergunta, e mais da mesma atenção. Sim, ele precisa de informações de fontes tão precisas e variadas quanto possível. Mas principalmente atenção e a pergunta "O que você acha?" Esses são os principais meios para o ronronar do seu cérebro ao longo de toda a vida.


Mas onde está essa atenção? E onde está essa pergunta? Em lugar nenhum.

Na verdade, às vezes os primeiros minutos de vida são muito bons. Normalmente, o recém-nascido é colocado nos braços de sua mãe e em seu olhar inteligente e amoroso. Novamente, essa atenção é generativa, porque continua o desenvolvimento celular do cérebro do recém-nascido. Mas muito em breve "Estou ouvindo" não será encontrado em lugar nenhum.


_ O que você acha?

_ Continue, estou interessado.

Em lugar nenhum.

_ Sua mente é um tesouro.

Em lugar nenhum.


Então. Bons pensamentos? Pensamento independente? Não há muita chance. Não no momento. Mas a mudança está acontecendo. E a mente humana não estará neste estado suturado para sempre.


Na Parte Três, vamos explorar o quão diferente uma vida humana poderia parecer se suas capacidades de pensamento inatas não estivessem sitiadas desde o nascimento, se, em vez dessas, "coisas que não encontramos em lugar nenhum" estivessem "coisas que encontramos em todos os lugares". É lindo.


E é terrivelmente possível. Esta decisão - o que devemos enfrentar para fazer isso? Que temos um eu (self). Esse é um trabalho difícil nas garras de nossas culturas de recompensa “seja como eu”, “faça apenas desta maneira”. Um grande trabalho. Grande demais para nós na maioria das vezes, ao que parece.


Não vamos arriscar. Não correremos o risco de reverter nossa lealdade às forças que nos formaram. Não correremos o risco de sequer imaginar que podemos ter um bom cérebro; que sejamos capazes de pensar tão bem quanto, ou às vezes até melhor, que os cérebros daqueles que nos deram a vida, do que aqueles que nos dirigem, dos que nos pagam, dos que colocam medalhas na nossa vida e apertam a nossa mão.


Para arriscar tudo isso, devemos encarar que os persuasores que ansiamos amar estão errados. E enfrentar o erro do mestre é a chave. Sentir, em vez de suprimir, nosso desapontamento com a fidelidade, magoa. Pelo menos no início. Mas, uma vez que tenhamos feito isso, é uma liberdade diferente de qualquer outra.


O eu? sim. Temos um eu, um núcleo intacto e luminoso de inteligência. Um núcleo que merece uma oportunidade cinquenta vezes ao dia para se expressar. Nós apenas temos que decidir. Podemos libertar esse eu das infra estruturas de comando inventadas que brilham quando ele aparece.


Brilhe de volta. Rasteje para fora. Fique de pé, levante suas costelas, olhe o céu. Decida. Eu testemunhei essa decisão, essa ressurreição de si mesmo, esse aninhamento de núcleo, milhares de vezes. Cada vez é uma nova revelação, um privilégio. O que você acha? Eu quero saber. Eu não vou te interromper.


Há algo nessa pergunta e nessas condições que resgatam o eu central (core self). Genuíno é o que o eu central é. E surgirá quando o seu arredor for genuíno.

O que você acha? Eu não vou interromper. O eu chegará, se o caminho estiver certo.


Capítulo 5: Duas coisas

Duas coisas Isso é o que eu preciso. Duas coisas.


Primeiro, temos que entender, realmente entender, que a atenção generativa de uma pessoa produz o novo pensamento de outra pessoa. Não apresse isso.


Dois, a atenção generativa de uma pessoa perde seu poder no momento em que vacila. Atenção como essa deve ser contínua. Leve isso em consideração também. Ela desafia 3.000 anos de instrução sobre como ouvir.


Este ponto de 'oscilação' está enraizado no fato de que não podemos “meio que” fazer essa coisa de pensamento independente. Ou fazemos ou não fazemos. Ou queremos pensar por nós mesmos ou não. Ou queremos que outras pessoas também pensem por si mesmas ou não. Podemos misturar muitas coisas na vida. Mas isso não.


A recompensa, o momento verdadeiramente “oh, uau, eu nunca pensei nisso até este exato momento”, espera para aparecer até que saiba absolutamente que pode confiar na atenção da pessoa; pode confiar que ela continuará infatigada, não seduzida pela atração de manifestar que se importa falando.


Oh, você pode pensar, vou apenas pegar esta pequena pausa aqui para dizer algo. Esqueça. Você vai matar tudo o que estava prestes a se formar. Você pode muito bem não ter começado. Na verdade, temos que começar a perceber e admitir o que está acontecendo quando falamos antes que a pessoa nos convide. Devemos notar que fizemos ela parar. Montamos um enorme outdoor com nossa foto bem na cara deles e dissemos:


Pare! Olhe para mim. Eu sei mais do que você sobre o que você precisa agora. Você precisa que eu fale. Eu não me importo onde você teria chegado com o seu pensamento naquele momento. Eu não ligo. Eu me importo que você saiba o que eu penso sobre o que você estava pensando (ou mais exatamente, sobre o que você estava dizendo, porque eu não tenho ideia do que você estava pensando já que você não disse), mas eu não me importo, porque eu tenho muito para dizer sobre o que você disse. Eu me importo que você reconheça meu valor para você por causa do que estou dizendo agora. Não, ainda não terminei. Você será grato a mim por isso. Oh, sua linha de pensamento está escorregando? Bem, não há problema. Você tem meu tópico agora. Sorte a sua.


E não é preciso muita mudança na qualidade de escuta para que a mente do pensador autorize e reconheça um avanço. Ele pode detectar uma incursão iminente antes mesmo que LIGO pudesse detectá-lo.


Sim, essas duas coisas: a atenção de uma pessoa produz novos pensamentos em outra. Atenção como essa é perfeita. Uma vez que a conhecemos, a vida nunca mais é a mesma. É melhor para sempre.


Capítulo 6: Confie no pensador

Lembre-se também que não podemos saber neste exato segundo o que não sabemos neste segundo. Nós podemos apenas caminhar e confiar. Além disso, não podemos saber se confiar valerá o risco de abandonar o que sabemos por algo que não sabemos. Isso é muito desconhecimento.


E os humanos não são muito bons em não saber. Gostamos de pensar que sabemos tudo. Mesmo algumas pessoas muito, muito, muito inteligentes disseram coisas como, "Parece provável que a maioria dos grandes princípios básicos da vida foram firmemente estabelecidos" (Albert Michelson, 1894) e "A era das revelações fundamentais na natureza acabou "(John Horgan, 2014).

Inquietante, eu concordo. Mas você só precisa olhar ao redor para ver como sua vida se padroniza para “saber com certeza”. Você levaria algumas horas para contar as coisas que faz, simplesmente porque você já as fez e confia que elas funcionam. Mas em apenas alguns segundos você poderia contar as coisas que fez hoje que eram opostos conscientes dessas coisas confiáveis.


Duas? três? Eu contei três esta semana. Normalmente durmo oito horas. Mas esta manhã eu ouvi os melros no coro da madrugada, despertei e resolvi me levantar, subir para o meu escritório e apenas sentar, ouvir. E ontem eu escrevi por duas horas maravilhosas antes de enviar um único e-mail. E hoje eu decidi não ser a 'cola' da conversa quando meus seis alunos estavam se reunindo para tomar um café expresso. Mudei-me para o círculo de cadeiras onde aprenderíamos em alguns minutos e apenas sentei, admirando todos eles.


Em todos esses momentos, havia aquele leve frisson naquela fração de segundo em que virei as costas para o usual e me comprometi com o diferente. É só isso. Um sentimento de 'se'. Um sentimento de ‘isso pode não funcionar, mas ninguém vai morrer’. Não é um sentimento de 'idiotas, o que eu fiz e quem serei depois disso?'


Abandonar, mesmo que por um minuto, o que é familiar para o que realmente não é, é apenas mudar de ah para hmmm. E isso é realmente legal. E a coisa boa é o Plano B. Sempre podemos voltar ao que é familiar. Ele está lá, de braços cruzados.


Portanto, não é grande coisa decidir, por exemplo, não interromper ninguém ou, antes que eles terminem, não interromper seus pensamentos durante a próxima hora. O que poderia dar errado? A pior coisa que poderia acontecer seria que eles olhassem para você de forma estranha porque memorizaram seu padrão de interrupção e você de repente ficou estranhamente fora de sincronia consigo mesmo. Mas e daí?


Você pode deixá-los saber com antecedência que pensa que, se não os impedir, eles vão produzir pensamentos que não poderiam de outra forma. Você poderia fazer isso, mas não para evitar que o seu familiar “eu brilhante” pareça estranho para eles, mas sim para salvar seus pensamentos da distração da surpresa de você não pular como de costume a cada poucos segundos. A estranheza não é estranha se for anunciada com antecedência e baseada no 'porquê' de si mesma.


Quero dizer, você pode ter que reprimir, possivelmente até mesmo com um martelo psíquico de dez toneladas, alguns pensamentos que você tem certeza que podem mudar todo o argumento e até mesmo mostrar que você é a "escolha" certa. Mas, novamente, você não morrerá de um recuo consciente. E você pode conceder seus pensamentos insubstituíveis graciosamente quando chegar a sua vez (se eles ainda forem relevantes). Que tal tentar com um colega hoje? E então amanhã. E se você tentasse um pouco mais? E então, em alguns dias, você pode experimentar com a pessoa que mais ama no mundo.


No final, é uma decisão de confiança. Para confiar no pensador nas pessoas. Para confiar no pensador em você mesmo. Vá para o frisson.


Capítulo 7: Pensamento independente


O pensamento independente é mesmo possível? Eu amo essa pergunta. Eu sei por que as pessoas perguntam isso. Porque não é. Não no sentido de soma zero, neve conduzida, silo. Claro que não. E graças a Deus. Somos animais absorventes. Cada pensamento que pensamos, ouvimos, lemos ou discutimos ainda está em nós, transformando uma coisa em outra e outra em outra.


Portanto, não estamos sem influência de fora. Mas o que fazemos com essa influência é o que conta. Sabemos quando estamos pensando por nós mesmos, porque não estamos verificando por cima do ombro, ou sondando rostos em busca de resposta, ou temendo o preço que possamos pagar quando a matilha partir sem nós.


Sabemos quando nossas mentes são desencadeadas como elas mesmas. É diferente. É diferente. Então, sim, o pensamento independente é possível. É emocionante, na verdade, e nascemos para isso. Você poderia dizer que é nosso direito. Talvez até nosso dever.


Recentemente, fui apresentada a dois ganhadores do Nobel de física. Generosamente, eles perguntaram sobre meu trabalho, e eu disse que o seu foco é a pergunta: “O que será necessário para as pessoas pensarem por si mesmas?” Ambos acharam que era uma pergunta importante, mas que teríamos que começar com pessoas com menos de seis anos, que os humanos nascem capazes de desenvolver sua capacidade inata de pensar bem e de forma independente, mas que, aos seis anos, essa capacidade já foi eliminada deles. Aos seis já é tarde demais.


Eu entendo sua análise. E se não mudarmos algumas coisas cruciais em breve em nossa sociedade como o berço da mente humana, os físicos acabarão por estar certos. Por outro lado, como você pode imaginar, tenho esperança de que a construção de ambientes de pensamento na vida de pessoas com mais de seis anos possa em breve levar a um pensamento mais independente por parte desses adultos e, consequentemente, à criação de seus filhos livres dessa restrição inicial de suas mentes.


Um diretor de uma escola primária me disse recentemente: ‘Estou me concentrando em uma coisa com esta posição: transformar os dias de escola em dias de reflexão, em dias de pensar por você mesmo. Quero ver os olhos dos alunos se iluminarem quando perceberem o que quero dizer. Eu quero que o lema de fato da escola seja esta pergunta: O que você realmente acha? _ Posso não ir muito longe. A força feroz contra esta campanha é o demônio de avaliação / teste que faz os professores se agacharem nas esquinas das respostas certas e os alunos em espirais entorpecidas de desempenho. Então, vamos ver. Mas eu quero cair lutando, se nada mais. Pelo menos todos na escola terão esse lema na frente de seus rostos enquanto eu durar. O que você realmente acha? 'Eu o aplaudi. E eu o estou seguindo.


Mas o pensamento independente não é algo que simplesmente acontece. Mesmo que nossos cérebros sejam construídos exatamente para isso. Mesmo que eles estejam carregados com toda aquela infraestrutura assustadoramente dobrada e suas 100.000.000.000 x 7.000 conexões neurais, o cérebro requer mais para produzir pensamento independente. As coisas funcionam no contexto, não no centro das atenções.


Essa qualidade de pensamento surge, assim como as primeiras células eucarióticas da própria vida nas aberturas do fundo do mar, apenas se as condições forem acolhedoras. Na verdade, esta dimensão de "abertura marítima" do pensamento independente é tão excitante, tão indisciplinado e fértil, que precisamos pegá-la, olhá-la e jurar protegê-la e proliferá-la e nunca deixá-la ser alvo de injunções letais novamente As condições para o pensamento independente são esses dez comportamentos entre si.


O Dr. Paul Brown, professor da Monarch Business School, na Suíça, me explicou isso. Ele percebeu que esses dez comportamentos não apenas funcionam; eles funcionam o tempo todo.


Ele disse que a razão para essa qualidade confiável de pensamento é que a atenção generativa, não corrompida e sustentada, acalma a amígdala do cérebro, o "centro de controle" emocional do cérebro, produzindo hormônios como serotonina e oxitocina. Esses hormônios, então, "banham" o córtex, o "centro de controle" cognitivo do cérebro, permitindo uma interação perfeita entre esses hormônios de "abordagem" e a cognição. E porque a atenção do ouvinte não vacila, e sabemos que não, a amígdala permanece calma e hormônios perturbadores do pensamento como o cortisol e a adrenalina permanecem sob controle.


Não é essa análise, como o próprio cérebro, quase poesia?


A subsequente corroboração de sua análise foi igualmente bela. Particularmente elegante é a pesquisa de Riana Barnard apresentada em sua dissertação, ‘As noções de“ atenção ”e“ crença ”no coaching para a mudança - um estudo conceitual '(Universidade de Stellenbosch, Cidade do Cabo, África do Sul, 2019).

Neste trabalho, Riana considera o ambiente de pensamento no contexto de "perspectivas avançadas em neurobiologia". Então, para mim, faz sentido, na verdade é uma espécie de imperativo, espiar nosso comportamento repetitivo e avaliar suas chances reais de produzir pensamentos novos em outra pessoa ou em nós mesmos.


Para fazer isso, talvez pudéssemos considerar dez perguntas por um minuto, apenas para refletir sobre o que quase todos nós estamos fazendo quando as pessoas estão pensando por si mesmas ao nosso redor. E o que está se desenrolando bem na nossa frente como resultado.


Essas perguntas irão explicar os 'dez componentes de um ambiente de pensamento'. Mas isso é apenas um rótulo conceitual. A realidade vivida é o que conta. E, na realidade, esses comportamentos são maravilhosos. Eles são a Natureza em ação. Acho que a mente humana está procurando por eles o tempo todo.


Os 10 componentes do Thinking Environment

  1. ATENÇÃO: Ouvir sem interromper e com interesse em saber para onde a pessoa irá em seguida em seu pensamento

  2. IGUALDADE: Em relação uns aos outros e como pares pensantes dando igual tempo para pensar

  3. LEVEZA: Descartando a urgência interna

  4. APRECIAÇÃO: Percebendo o que é bom e dizendo

  5. SENTIMENTOS: Acolhendo a liberação da emoção

  6. ENCORAJAMENTO: Dando coragem para ir até a borda inexplorada de nosso pensamento, cessando a competição como pensadores

  7. INFORMAÇÃO Fornecendo fatos, reconhecendo o contexto social, desmantelando a negação

  8. DIFERENÇA Defendendo nossa diversidade inerente de identidade e pensamento

  9. QUESTÕES INCISIVAS Liberando a mente humana de uma suposição falsa vivida como verdadeiro

  10. LUGAR um ambiente físico - a sala, o ouvinte, o seu corpo - que diz: 'Você é importante'

Kline, Nancy. The Promise That Changes Everything. Penguin Books Ltd. Edição do Kindle.